quinta-feira, 26 de maio de 2011

sobre seedorf e nosso estádio

sinceramente, com todo o respeito à carreira do seedorf, um dos maiores jogadores holandeses (naturalizado, mas holandes) dos últimos anos, responsável, inclusive, junto com outros jogadores negros, pela queda de cartolas daquela seleção que eram a favor do segregacionismo em concentrações, hotéis e afins, o corinthians não precisa de mais um jogador disposto a encerrar a carreira e passear no brasil...

se alguns jornais falam em vergonha pelas palavras do andre$, que afirmou que a contratação sairia de qualquer jeito e que o pré-contrato (na verdade, apenas um protocolo de intenções), escondem que o fato real nao é a vergonha de nao ter o cara no time e no marketing, mas sim as palavras desmedidas e descabidas desse presidente.

exagero nosso%

não parece, se considerarmos o que ele disse abertamente sobre gangsters, na conversa sobre globo e cbf tida semanas atrás no C13; o mesmo ocorre se considerarmos seu dito sobre tite e muricy; também sobre as milhões de data que nosso estádio começará a ser construído...

falar em estádio, falamos posts atrás do porque sermos contra essa empreitada em itaquera, ainda antes dessa celeuma de abertura da copa, copa das confederações e afins...

e agora mais um motivo: poucos sabem, mas enquanto não há obra qualquer em itaquera, movimentos sociais e associações de moradores denunciam que os procedimentos administrativos de desapropriação do entorno do estádio começaram... oferecendo, conforme informado ao blog, 50 mil por lotes da cohab1, que foram adquiridos pelos moradores por 70mil a unidade, às barbas do princípio constitucional da publicidade que deve revestir todo e qualquer ato dos administradores...

assim,se o estádio vai ferir o povo do entorno, vai reduzir as áreas populares, que já nos são tão parcas, vai ser aos moldes das arenas projetadas para ricos e vai usar dinheiro público, não nos serve...

se vale como comparativo, as bixas da vila sonia se gabam de um panetone ridiculamente projetado, doado por um governador-diretor-totalitarista (isenção de impostos + verbas públicas). Se gabam, por isso são menores, menininhas egoístas.

O Corinthians é muito maior, nunca precisou disso, e que, portanto, nosso falastrão presidente guarde seu repertório de disse-não-disse no armário, volte a ter o futebol à frente de estádios e marketings e passe a falar e agir conforme manda nossa centenária história alvinegra (nao roxa, nao grená, alvinegra).

terça-feira, 24 de maio de 2011

link da cobertura do ato da ant no dia 21.05

http://www.youtube.com/watch?v=XiZXhnVSxrk&feature=player_embedded

quinta-feira, 19 de maio de 2011

convocatória ANTsp

ATO DA ANT – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS TORCEDORES

O FUTEBOL É DO POVO!
DIA: SÁBADO, 21 DE MAIO
LOCAL: VÃO LIVRE DO MASP, AVENIDA PALISTA
HORÁRIO: CONCENTRAÇÃO A PARTIR DAS 10hrs

Vá com a camiseta de seu cube do coração.


Copa para quem?

21 de maio de 2011. Começa mais um Campeonato Brasileiro, o 41ª da história. Até aí nada de mais, é só futebol, não muda nada no nosso cotidiano, certo?
Nem tanto.
Em três anos, o Brasil sediará a Copa do Mundo de Futebol, aquela mesma da qual nos orgulhamos de ser pentacampeões, e desde que isso foi anunciado estamos festejando essa possibilidade. Em nome dela, tudo passou a ser permitido, de aumento de 200% no orçamento original para o evento - era de R$ 2 bi, passou para R$ 6 bi - à execução de obras sem licença ambiental, retirando famílias de suas casas e dividindo bairros em dois para a passagem de novas vias de trânsito.
Enfim, qual será o legado depois de hospedarmos essa Copa? O que ganharemos com ela? O que mudará?
Muitas perguntas, e até agora não tão animadoras respostas.
Em termos de futebol, o torcedor já sente a diferença: ingressos cada vez mais caros, acordos de transmissão com a Rede Globo feitos contrariando completamente as leis de concorrência e licitação, elitização dos torcedores - não há mais setores populares nos estádios - e uma gradual eliminação da cultura popular torcedora. Não tem mais cerveja (mesmo que estudos pelo mundo todo apontem que não é ela a culpada pela violência), nem bandeira, não pode mais fogos, nem papel picado, não tem mais barraca de comida na porta do estádio. Ao torcedor, se impõe cada vez mais uma prática exclusivamente de consumo, de shopping center: vá ao jogo - de carro, porque o transporte público deficiente em dias normais se torna impraticável em dias de jogo -, consuma apenas dentro do estádio e vá embora, de preferência sem fazer muita festa. Nos dias de semana, então, a coisa piora ainda mais: jogos às 22h, o que praticamente impossibilita a volta para casa de quem não possui automóvel particular.
Já está assim hoje. Como ficará em três anos?
A Copa do Mundo, afinal, será para quem?
Se hospedar o evento significa mutilar nossas cidades, esgotar os cofres públicos - contrariando a promessa de que não seria assim - e, no final, deixar a imensa maioria da população brasileira de fora dos estádios, vale mesmo a pena?
Nós, da Associação Nacional dos Torcedores, não temos só perguntas, também temos propostas. De uma outra Copa possível, de um futebol que respeite o torcedor e a população. O futebol é do povo, é patrimônio cultural brasileiro. Nada mais justo, então, do que o povo ser consultado quanto às suas vontades e anseios em relação ao esporte, e ter suas opiniões e vidas respeitadas na execução das obras para a Copa do Mundo.
Se você também acha que merecemos maior participação nisso tudo, junte-se a nós nessa luta por uma Copa que não seja excludente e por um futebol que não expulse os torcedores do estádio. Visite nosso site e participe de nossas campanhas. Vamos fazer da cidade um imenso caldeirão à nossa moda: popular e para todos, até que nos escutem.

ANT-SP

www.torcedores.org.br / www.torcedores.org.br/saopaulo / www.facebook.com/ANTsp / www.twitter.com/ANTsp

"Sem torcedor não há futebol, sem futebol não há alegria"

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Sport Club Corinthians Paulista

Trabalhadores humildes fundaram, no Bom Retiro, o time de futebol que teria nome em homenagem ao inglês Corinthian Football Club, em excursão pelo país naquele 1910 – chamado de Corinthian’s team, em inglês. Os fundadores, que deixaram de lado as sugestões de Santos Dummont, Carlos Gomes e Guarani, ficaram mesmo com o Corinthians, que em dez dias já estreava contra o União da Lapa, equipe de várzea.

Do campo de um vendedor de lenha (“Campo do Lenheiro”) na atual Rua José Paulino, o Corinthians teve um campo junto à Ponte das Bandeiras e depois o Estádio Alfredo Schürig, no Parque São Jorge, para 18 mil pessoas. O uniforme, de azul marinho e creme, passou a preto e branco pela maior facilidade de se encontrar o tecido nessas cores. Hoje, as estrelas douradas representam os títulos brasileiros; a filetada em prata, o título do Mundial de Clubes da Fifa.

A década de 20 foi produtiva. A partir do título do Paulista de 1922, o Corinthians ficou conhecido como o “Campeão do Centenário” (do Brasil), somando dois tricampeonatos (1922/23/24 e 1928/29/30). Nos anos 50, fazia história o “Ataque dos 100 Gols”, com Carbone, Cláudio, Luizinho, Baltazar e Mário. Foram 100 gols em 30 jogos do Paulista de 1951. O Corinthians ainda foi campeão do Quarto Centenário, em 1954, conquistou a Taça dos Invictos em 1956/57, mas depois passou por um período difícil. Mesmo com um grande time, quando contava com Garrincha, já em decadência, foram 11 anos sem ganhar do Santos de Pelé, de 1957 a 68.

Em 16 de novembro de 1965 o Corinthians vestiu a camisa do Brasil em amistoso contra o Arsenal, da Inglaterra (que fez 2 a 0). Nos anos mais recentes, fizeram nome no clube jogadores como Wladimir, Casagrande, Viola e Rivelino, que foi titular durante por quase uma década, participando do tricampeonato da Seleção Brasileira na Copa de 70, no México, e que esteve na equipe que disputou a Copa da Alemanha, em 1974.

Também ficou na história do futebol brasileiro a “Invasão Corintiana” de 1976, com 70 mil torcedores no Maracanã, eliminando o Fluminense na semifinal do Brasileiro (o time perderia na final para o Internacional, de Porto Alegre). Depois de 22 anos, oito meses e sete dias, o Corinthians reconquistou um título paulista, em 1977.

Após o fim do jejum, a conquista de títulos seriam constantes ao torcedor corinthiano. Campeão paulista em 1979, seria bicampeão em 1982/83, além do título de 1988. Faltava ainda, porém, um título de expressão nacional, conquistado em 1990 com Neto em fase deslumbrante.

Esta conquista determina o início da principal época de títulos do clube do Parque São Jorge. Após assistir a grandes conquistas dos rivais Palmeiras e São Paulo no início da década de 1990, o Corinthians conquista a Copa do Brasil e o Paulistão em 1995, além do estadual em 1997 quando retomou a hegemônia de títulos estaduais.

Bicampeão brasileiro em 1998 e 1999, mesmo ano em que conquistaria novamente o estadual, o torcedor corintiano assistiu ainda à conquista do Mundial de Clubes da FIFA no Maracanã em 2000, além de novas conquistas estaduais em 2001 e 2003, entremeadas pela Copa do Brasil e Torneio Rio-São Paulo, vencidas em 2002.

Neste período, destacaram-se jogadores como Marcelinho Carioca, Ricardinho, Edílson, Rincón, Vampeta, Luisão, Dida e entre outros que entraram para a história do clube por participarem do período mais vencedor de toda a sua história, que ainda teria mais um título Brasileiro, em 2005 e a consagração de mais um ídolo: o argentino Carlito Tevez.

Em 2007, porém, o time viveu o pesadelo do rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro. Retornou à elite nacional com uma campanha irrepreensível já no ano seguinte, quando também foi vice-campeão da Copa do Brasil.

Sob o comando de Mano Menezes, que assumiria a Seleção Brasileira após a Copa do Mundo de 2010, o clube sacramentou a volta por cima com a conquista do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil. Como se não bastasse, a torcida ainda ganhou um ídolo: Ronaldo 'fenômeno' foi fundamental nas conquistas desta temporada e entrou para a história do clube como principal nome da equipe no ano de seu centenário.

O maior artilheiro da história das Copas do Mundo com 15 gols marcados encerrou a carreira em 2011 fazendo juras de amor à torcida corinthiana.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

nunca é demais lembrar

homenagem aos 10 anos desse jogo incrível, que retrata fielmente, em campo, que o corinthians é o time da raça e da superação e, na bancada, que a fiel torcida nunca deixa de acreditar, seja qual for a circunstância...

http://www.lancenet.com.br/corinthians/Corinthians-Santos-Ricardinho_0_479952008.html

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Corinthians x Sardinhas

http://youtu.be/M4FsagmusR4


Mesmo com o aumento dos ingressos, a Fiel fez sua parte com muita festa e lotou o Pacaembu. Sem muitas chances de gol, salvo a pressão que tomamos no início do 2° tempo, o jogo foi travado e com muita marcação. Não poderia se esperar algo diferente de dois tecnicos com fama de retranqueiros. As jogadas de ataque do coringão no geral foram executadas sem inversões de jogo e com pouco giro de bola para buscar espaços. A jogada iniciando pela direita, iria dessa forma até o fim e assim, ficava previsível anular as nossas jogadas ofensivas. O apoio dos laterais foi complicado e ficou mais evidente ainda com os seguidos cruzamentos bizonhos no fim do jogo. O Alessandro que não pode jogar por conta da expulsão contra a porcada fez falta e será um importante reforço para o próximo jogo.


Vamos continuar na fé e no sofrimento de sempre para buscar esse caneco na Vila.


Vai Corinthians


sexta-feira, 6 de maio de 2011

porque a piada não pode acabar nunca...

Três cachorros se encontram na sala de espera do veterinário...

Um dobermann, um pastor alemão e um são bernardo.
Conversa vai, conversa vem, o pastor pergunta para o dobermann o motivo de
ele estar ali.

O dobermann respondeu:- Ontem, a cunhada do meu dono levou a cachorrinha
dela em casa.
Não deu outra: tracei a coitada. Resultado: meu dono (filho da p...) mandou
me castrar... E você?

- Foi uma amiga da minha dona lá em casa e não teve jeito. Agarrei a perna
dela e me ralei todo nela... Um tesão... Mas como nem pé de mesa eu tenho
perdoado, aí mandou me castrar também.Os dois, percebendo que o são bernardo
escutava a conversa atento, perguntaram, quase que ao mesmo tempo:- E você,
o que te aconteceu para estares aqui?

O São Bernardo respondeu:- Ontem, meu dono chegou do Morumbi, camiseta do
São Paulo enxarcada de suor, tomou uma ducha bem quente, um banho de loção
Nívea Baby, talquinho alí, creminho aqui e caiu de bruços na cama, quase
desfalecido, coitado!... Foi aí que eu não agüentei: pulei em cima dele e
mandei ver...!!!

E novamente os dois perguntaram, quase que ao mesmo tempo:
- Vai ser castrado, na certa, né?
- Não... ele me mandou aqui para cortar as unhas.

melhor imagem sobre homoafetividade

quarta-feira, 4 de maio de 2011

tite, a final e o plano fiel torcedor

lamentável o que vimos domingo. Salvo pelo fato da classificação, é inaceitável que um time de futebol com um jogador a mais não tenha movimentação, padrão tático que o permita girar a bola pelo campo até abrir espaços. Pior quando tal time fica preso em sua defesa e à mercê dos contra-ataques do rival. Intolerável quando falamos do nosso grande Corinthians.

Soma-se ao gosto de nosso treinador pelo empate a adesão dos jogadores ao padrão bumba-meu-boi dos times covardes e o que se tem são laterais que não sobem, volantes que não ultrapassam e meias que não têm com quem inverter o jogo.

Isso num elenco bom, competente ao menos no papel. E num esquema vitorioso, numa equipe que já mostrou que pode, que sabe jogar junta, agredir o adversário, impor seu jogo e fazer o resultado.

E não nos atemos apenas aos times pequenos. Essa equipe vem fazendo resultados impressionantes em clássicos há mais de dois anos. Ou ao menos vinha, antes de Tite.

Tomara que a pressão da final e o peso de nossa camisa transforme a atitude geral de nosso elenco. Temos que fazer dois bons clássicos, honrar nossa história centenária, impor às sardinhas, sem medo algum, o todo poderoso timão, e voltar a fazer festa, dessa vez no dia 15, naquele estádio que não deveria receber clássicos.

Por falar em final, novo aumento de preço dos ingressos. E não se enganem os fãs do Andre$ $anchez: a arquibancada aumentou também, como bem alertou, via facebook, nosso companheiro Joaci:

Hj existem associados no Fiel torcedor suficientes para esgotar os ingressos do portão principal e toboga. Falam que não aumentaram os ingressos dos setores populares, mas diminuiram o desconto do FT, que no meu caso, passou de 40% para 30%. Lembrando que para todos os planos existe o o plano de desconto fixo e progressivo. Como é "desconto" eles fazem o que bem entendem e assim a Fiel se consolida como torcida que paga o ingresso mais caro do Brasil.


é fruto dessa diretoria que olha para as $$$ e esquece do povo, que gasta rios de dinheiro em ex-jogadores por mero marketing e se olvida da montagem de times competitivos, que desmonta elencos vencedores às vésperas de libertadores pra tentar fechar contas... vamos acordar fiel (vamos nos associar, o voto é nossa maior arma!)