quinta-feira, 14 de outubro de 2010

má vontade, tite e a aristocracia

defendemos no post de ontem a manutenção dos jogadores no comando da equipe, ao menos até o encerramento do campeonato brasileiro. Isso porque treinadores como Parreiram, que têm filosofia de jogo sempre definido, precisam de tempo para colocar em campo seu padrão de jogo, o que não tem como acontecer durante a reta final de qualquer campeonato.

e não achamos que o jogo de ontem vá influir alguma coisa. Diferente de outras páginas de torcedores vistas hoje, não é do entendimento deste espaço que o maior culpado da derrota seja a arbitragem: nosso time não criou e não concluiu, não fez o básico para que pudéssemos namorar com a vitória.

Em contrapartida, voltou a mostrar lentidão na defesa, repetiu a enorme besteira de não ter um volante fixo à frente da zaga, optou por deixar o único armador (e bom armador) do vasco jogar e bateu cabeça demais nos passes e posicionamento.

Se se corrigiu a estúpida escalação que o adilson colocava em campo, repetiu, com outras peças, as mesmas falhas.

A grande questão que fica é: ainda que consideremos que a maratona pós-copa colocava em risco o físico dos atletas, é normal que apenas nosso time sofra tantas baixas e tenha um elenco pregado em campo?

Segundo nossos amigos do PSJ, há mais de mês alguns jogadores questionam a comissão técnica quanto ao correto procedimento adotado no decorrer do campeonato. Se está errado, precisamos achar o culpado e precisamos reformular o departamento.

Contudo, não podemos limitar a responsabilidade somente na parte física ou somente ao Adílson. Quem viu o jogo ontem notou que jogadores que tiveram boas sequencias nao acertam passes de dois metros, não fazem a menor questão de colocar o pé na bola, não correm atrás de nenhum adversário e muito menos dão opção de passe e sequencia de jogo ao time.

E ninguém aqui é inocente a ponto de chamar isso de zica ou de fase... agora, independente do que seja e de quem é ou quem são os responsáveis, que se lembrem do respeito que devem ao manto e à torcida e voltem a mostrar, no mínimo, vontade de vencer...

até mesmo porque estamos em reta final e hoje já não temos mais o título em risco; temos em risco a vaga para a libertadores. E tanto quanto nos iludimos com o conforte de termos vantagem sobre os concorrentes, não podemos estacionar e ficar rezando pela derrocada das equipes que vêm abaixo...

E para isso é necessário Tite? Sim, se considerarmos que é importante ter alguém à frente do elenco para dar a cara em entrevistas e chamar a responsabilidade na parte técnica.

Não, se se considerar que Tite, tanto quanto Parreira, é a opção que mais coaduna com o intento dos jogadores de manter à frente do grupo e dos treinamentos a chamada elite, os líderes do elenco wiliam, paulo andré, ronaldo e rc.

Ao que alguns chamaram "nova democracia", ontem nosso camarada carlão sabiamente chamou de "aristocracia corinthiana".

Certamente um treinador com o perfil paizão de tite não ousará cortar cabeças, e optará por andar junto com diretores e jogadores.

De sua passagem anterior, teve bons resultados e conseguiu trabalhar com as primeiras peças trazidas com o dinheiro da MSI, mas foi preterido para a infame chegada de Daniel Passarella... poderia ter conquistado títulos, até mesmo porque qualquer treinador com aquele elenco teria tal obrigação, tem capacidade para fazê-lo agora, se realmente vier, mas não esperemos um cara com o QI e o gabarito do Mano: não se pode esperar dos normais que sejam o que são os acima da média...





_________________

opinião pessoal minha, vardema escrevendo:

jogador em campo sem vontade ou quer derrubar treinador (o que nao é mais nosso caso), ou quer dar recado para diretor... de 3 semanas pra ca, não acredito que o time todo desaprendeu a rolar uma bola... aguardemos e averiguemos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário