sexta-feira, 15 de outubro de 2010

ANT no Brasil de Fato

Associação Nacional dos Torcedores no Brasil de Fato (link aqui)



Torcedores unidos por seus direitos
sex, 2010-10-15 19:04 — admin
CulturaAssociação Nacional dos Torcedores (ANT) promete defender o futebol como patrimônio cultural






15/10/2010



Patrícia Benvenuti

Da redação











Não só espectador, nem só consurmidor. O torcedor brasileiro também quer participar das decisões que envolvem o futebol. Com esse objetivo, torcedores de todo o país estão empenhados na criação da Associação Nacional dos Torcedores (ANT).

A proposta foi lançada oficialmente no dia 10 de outubro no Rio de Janeiro, em frente ao portão 18 do Estádio do Maracanã. Um dos idealizadores da ANT, o professor e coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Esporte e Sociedade (Nepess) da Universidade Federal Fluminense (UFF), Marcos Alvito, explica que a associação tem como principais metas a defesa dos direitos dos torcedores e do futebol como patrimônio popular.

"O objetivo é tentar barrar o processo de exclusão do povo brasileiro dos estádios e das decisões do futebol. Existe um processo para transformar o torcedor em um consumidor, e o 'cavalo de tróia' desse processo é a Copa do Mundo", afirma.

As reformas dos estádios para a Copa de 2014, para Alvito, são a evidência mais marcante da tentativa de elitizar as arenas brasileiras, que têm reduzida sua capacidade de público. O discurso da "modernização" do futebol brasileiro, no entanto, não atinge outros níveis.

"Não se moderniza o que tem que modernizar. O sistema de venda de ingressos, por exemplo. Ainda tem gente que dorme nas filas para comprar ingressos. O transporte é ruim, a segurança também ainda não é suficiente", elenca.

A ANT pretende questionar, ainda, as cifras milionárias que envolvem as reformas dos estádios. Segundo Alvito, a adequação dos locais às normas internacionais e aos padrões da Fifa devem consumir a maior parte dos 17 bilhões de recursos que devem ser gastos com a Copa. O caso do Maracanã é emblemático. O estádio já passou por três reformas que, juntas, custaram um bilhão de reais, e ainda deve passar por uma quarta, que custará mais 1,2 bilhão. Dentre as alterações, uma das mais significativas foi a extinção da "geral", espaço destinado aos ingressos mais baratos.

"Nós não fomos consultados, não nos pediram [se queríamos] isso [a reforma do estádio]". "A gente [ANT] quer sentar com as autoridades, ver como vão ser aplicados esses recursos", diz.

O descontentamento dos torcedores com as tabelas e horários das partidas também está na pauta da ANT, que promete lutar, inclusive judicialmente, contra o monopólio das transmissões televisivas de jogos de futebol.

Em setembro, o Ministério Público Federal (MPF), consultado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), emitiu parecer contra o Clube dos 13 e a TV Globo. De acordo com o MPF, há prática de cartel na negociação dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro.

"A TV é a verdadeira dona do futebol hoje. O jogo é sobremesa das novelas, termina depois da meia-noite e aí já não tem mais transporte [para o torcedor]. A ANT quer lutar contra isso, fazendo pressão e inclusive juridicamente", explica Avilto.









Mobilização



A primeira manifestação pública da Associação Nacional dos Torcedores será neste domingo (17), durante o clássico Fluminense e Botafogo pelo Campeonato Brasileiro no Rio de Janeiro. Cartazes, faixas e material de divulgação apresentarão a nova entidade aos torcedores, que poderão se filiar à ANT.



A mobilização e as adesões também ocorrem em vários estados. Em São Paulo, o lançamento da ANT-SP acontecerá na segunda-feira (18), a partir das 20h, na Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu.



O torcedor Jorge Suzuki, que auxilia a organização da ANT na capital paulista, explica que a proposta da ANT veio ao encontro de um movimento que há existia na capital paulista, dedicado a popularizar o preço dos ingressos.



"Aqui no Brasil se cobra um preço [de ingresso] de padrão europeu e a estrutura oferecida ainda é de Terceiro Mundo", explica.



Para Suzuki, a criação da ANT deve contribuir ainda para o cumprimento do Estatuto do Torcedor, como ficou conhecida a lei 10.671/03. Sancionada em 2003, a medida visa a proteger os interesses do torcedor, obrigando as instituições responsáveis a estruturarem o esporte no país de maneira organizada.



"Sempre que acontece alguma coisa [nos estádios] a culpa é do vândalo, do baderneiro. Não negamos que haja esse tipo de torcedor, mas não podemos generalizar isso", pontua.



Ele destaca ainda que a ANT é a primeira tentativa de organização que não está sendo liderada por torcidas organizadas. Segundo Suzuki, todas as torcidas foram ouvidas, a fim de que possam contribuir para as discussões. O torcedor ressalta, porém, que o importante é reunir o maior número possível de pessoas em uma articulação nacional.



"Se há estádios inteiros descontentes e o problema é o mesmo, vamos trabalhar juntos", afirma.



As eleições para presidência e demais cargos da ANT estão marcadas para o dia 12 de dezembro, um domingo depois do encerramento do Campeonato Brasileiro. Filiações podem ser feitas por meio do endereço eletrônico http://www.torcedores.org.

Nenhum comentário:

Postar um comentário