quarta-feira, 22 de setembro de 2010

brasileirão - santos X corinthians

marcar bem e provocar com inteligência o pirralho...

certamente o episódio de ontem vai mudar a paciência da torcida sardinha com o pirralho sem caráter... basta ver as faixas e os protestos que os torcedores já fizeram na oportunidade que ele iniciou a treta, na própria vila belmiro...

e, como garoto falso que é, certamente tentará se mostrar comportado e ganhar o jogo... mas certamente não conseguirá manter a calma perante protestos da torcida, lances errados e provocações...

por isso a primeira frase: marcar bem, pq hj ele tem que provar que é o cara e que tirar um treinador de bons resultados era a melhor opção da baixada; provocar, mas com inteligência, pra não arrumar confusão nem dar ao simon o poder de fazer média com a diretoria do guarani do litoral e facilitar o jogo tirando um nosso de campo...

e não esquecer que precisamos de atenção com a velocidade dos alas, o elemento surpresa do arouca e o bom passe do marquinhos, aquele que sempre perde do todo poderoso...

por isso, novamente o poder defensivo tem que prevalecer... embora percamos muito com a possível ausência de ralf, contundido, e a suspensão de paulinho, nenhum volante nosso terá o encargo mais pesado de fechar phg... mas é preciso um boquita atento, e um time ligado em campo como tem sido nos clássicos...

sobre a ausência de ronaldo, defendida no jogo contra o fluminense, no qual a obviedade do contra-ataque num campo grande acabaria nos fornecendo a chance de vitória, como de fato ocorreu, a vila, por ser um campo menor, permite o uso de um pivô/jogador de área... como fizemos ano passado...

sendo certo que ele não estará, ficamos com um esquema tático que tem dado (muito) certo... nos parece mais coerente, dado a grande possibilidade de apoio de léo e pará pelas alas, que seguremos os laterais próximos à linha de zaga, com espaço para iarley e jh jogarem nos respectivos costados... assim, ou se anula um ala, ou se abre uma avenida...

diferença apenas no meio... contra as tricoloras do rio, pudemos deixar dois volantes marcando dois armadores, com elias apenas flutuando entre eles e os laterais chegando para compor a linha de zaga, de modo a termos a sobra do meio... elias e bc somente marcavam quando os volantes brucutus saiam para o jogo

hoje, a temos três diferenças: precisamos dos laterais próximos da zaga, mas mais atentos aos alas, pq no caso do rio, somente o mariano buscava a linha de fundo... hoje serão dois... no meio, dos volantes do santos, o arouca sai muito ao jogo, entao devemos ter elias um pouco mais fechado na marcação, deixando, ao invés de duas saídas de contra-ataque, uma centralizada, com bc (melhor ainda, acerando o prognóstico, que marcado pelo grosso do danilo)

e na frente, pra correr com nosso ataque leve e de bom toque de bola, além do meio-volante danilo, o pesado durval acompanhado de um fraco bruno aguiar... se a bola girar na mesma velocidade/qualidade do maracanã, é certo que as chances aparecerão...

e mais, se o fluxo de jogo for bom o bastante para dominarmos por 15, 20 minutos initerruptos, como fizemos no engenhão, os laterais santistas terão que recuar, a torcida vai reclamar e aí fica jogo...

e mais: depois dessa semana das sardinhas, tudo o que eles mostraram que são é o que escrevi acima... o guarani do litoral, aquele time que quando entra em campo sempre alguém comenta, saudosamente: "ah, se vc tivesse visto como era na minha época..."... time em que quem manda é o pirralho ponta esquerda marrento não ganha nem quarta divisão, não merece status de grande... faz jus, isso sim, aos 7 a 1 históricos que levou no lombo, e que, oxalá, se repetirão logo mais!

E VAI CORINTHIANS!

(e amanha fotos dos parceiros do blog que conseguiram um dos 730 ingressos que nos deu a diretoria praiana... pouco, do tamanho do time deles... aliás, é atitude que estamos apurando, dada a falta de bom senso... no mínimo, se é ato legal, não é ato moral, e que vão jogar em outra casa...)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

registros da fiel torcida

foto do filho da nossa amiga @cami_kiss, com 3 meses (1996) e hoje...

"amor incondicional", conforme bem resumiu nossa amiga!




e vai corinthians!!

mobilização geral pela redução dos valores de ingresso no Brasil

conforme falamos neste espaço e temos divulgado incansavelmente no orkut, este blog entrou na briga pela redução do preço dos ingressos no Brasil, pelo fim desse vergonhoso processo de fazerem com que os torcedores de verdade tenham que financiar altos custos advindos de marmeladas de dirigentes e más administrações, e pela devolução do esporte do povo ao povo

o foco do projeto, apesar de estarmos encampando a idéia, não é exclusivamente o Corinthians, mas os preços médios do Brasil, que, salvo na região nordeste e alguns jogos do campeonato carioca, onde entradas são praticamente doadas em épocas de baixa de público, estão muito longe da realidade da população.

são três fases para as quais estamos angariando pessoas e instituições para nos ajudar:

1. organizar o movimento, seja por meio de encontros, seja por um grupo de email, no qual definiremos exatamente o escopo do estudo a ser desenvolvido.

2. definido o objeto, dividiremos os grupos para realizar os estudos.

Nossa sugestão é que tenhamos frentes de trabalho divididas da seguinte forma:
- uma para fazer uma análise jurídica (visto que a constituição federal prevê acesso ao lazer e à prática desportiva em geral)
- outra para um estudo econômico-social que versará tanto sobre o real impacto das bilheterias nos cofres dos clubes, quanto sobre o poder aquisitivo médio dos torcedores no Brasil face aos preços oferecidos
- mais um pessoal fazendo um levantamento histórico do futebol, que era conhecido, até poucos anos atrás, como o esporte do povo; aqui, queremos fazer, inclusive, um prognóstico do que pode acontecer com o povão dentro de alguns anos, se não for mudado o atual panorama;
- e um último grupo realizando entrevistas (perguntas pré-estabelecidas, iguais para todos os entrevistados, que permitem, depois, um levantamento estatístico das respostas) com todos os setores envolvidos: torcedores de bancada até os camarotes, imprensa, federação, jogadores etc.

- nesse meio tempo, um outro pessoal ficará responsável pela divulgação do trabalho e pela captação de recursos para edição/publilcação/distribuição.

como algumas áreas são técnicas, a divisão dos trabalhos provavelmente deverá ser feita conforme a formação de cada colaborador... de qualquer forma, quanto mais gente ajudando com as entrevistas e a divulgação, melhor.


3. feito o passo anterior (e todos trabalhando em função de um mesmo prazo), efetuaremos a compilação de todo o material em um documento único, conclusivo, o qual será, a princípio, encaminhado à mídia e alguns setores político/administrativos. Havendo recursos, faremos também a publicação.

Além disso, estamos trabalhando a idéia, junto com outras torcidas que já nos contataram (de outros times, inclusive), de, com a documentação divulgada, realizarmos um protesto conjunto, na mesma rodada, em todos (ou nos que conseguirmos mobilizar) os estádios das série A e B do nacional.


especificamente sobre o caso do Corinthians, aguardaremos posicionamento da diretoria acerca do posicionamento a ser adotado com o novo estádio... isso feito, e sendo necessário, faremos também uma mobilização específica.



qualquer um que entenda que pode colaborar em qualquer das ações acima, ou mesmo participar do debate/divulgação/entrevistas, encaminhe email para vozdafiel@bol.com.br, cadastraremos seu email em um grupo que, quando contar com pessoal suficiente, começará a movimentação geral.

apenas pedimos que informe em qual área entende que pode dos apoiar e a cidade onde reside... sua ajuda será muito bem-vinda e útil.

para finalizar, quem conhecer pessoas de outras torcidas que possam somar no movimento, por favor, divulguem!

grande abraço e vai corinthians!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

brasileirão - fluminense X corinthians

à parte os exageiros de se falar em final a 17 rodadas (51 pontos) do fim do campeonato, temos, essa noite no buraco do Engenhão, o jogo mais importante do Brasileirão, sem dúvidas...

de cara, saímos sem chicão, que faz imensa falta em nossa zaga (alias, nao que seja recorrente no paulo andré, que vem se mostrando um bom reserva, nunca vi chicão levar caneta de ninguém... alias, pra tomar chapéu, só quando não valia nada). Sem dente, que é (muito) mais jogador que o iarley, e sem ronaldo, o que, talvez, fosse melhor mesmo no Maracanã, já que o campo grande e o jogo aberto podem favorecer o jogo de velocidade, um tanto dificultado em dimensões normais como as do engenhão.

Contudo, com roberto, ralf e alessandro, a proteção da defesa melhora, ainda que hoje precisemos de mais atenção dos volantes, pq por mais que ralf caia em um dos meias, o que sobrar será deco, conca ou valência. No esquema de jogo do fluminense, o 3-6-1 da marcação gira para 3-5-2 no ataque, quando um dos três que sabe jogar com bola forma a dupla com washington.

Normalmente é o conca, porque fica um avante pela esquerda, onde o apoio é mais fraco, e deixa o lado direito pra deco + mariano.

Nada impossível de se anular, pelo contrário. E mais: o costado do meio campo, em que somente roberto bob cobre o ataque, e a avenida mariano, coberta pelo sanguinário zagueiro-assassino-cuja-meta-de-vida-ainda-é-achar-por-onde-cortou-o-gil andré luis é excelente para contra golpes.

E mais: com a bola nos pés, nosso fluxo de jogo deve encaixar contra um time de marcadores pesados, principalmente quando o diguinho não joga - como hoje.

O que não pode mais são os gols perdidos. E faltas: ambos os times correm sérios riscos com faltas perto da área, e tomara que hoje o paulo andré se lembre disso (e marque o conca sem botes secos...)

preocupa o complicado simon, do qual vale repetir o comentário do Blog Preto e Branco: "O confronto da próxima quarta-feira promete ser tão equilibrado quanto o retrospecto entre os clubes, o perigo iminente fica a cargo do trio que apitará a partida. O caseiro Carlos Eugênio Simon será auxiliado pelo rei da interferência Roberto Braatz e pelo nonsense Alessandro Alvaro Rocha de Matos. São árbitros com certo status midiático, mas que costumam influenciardiretamente nos resultados. Haja coração, amigos!" (in www.noticiasdocorinthians.com.br/blogs/larissa_beppler/perigo_iminente#ixzz0zd9bQogL)



a nota triste do jogo fica, mais uma vez, a cargo da organização...

conforme alertou o companheiro joaci (@vaaicorinthians), a pm do rio avisou que, "por questões de segurança", nossa torcida somente poderá entrar no engenhão no apito inicial do juiz...

segurança de quem? vão segurar as caravanas longe do estádio, como nos últimos jogos no rio, e somente permitir que as caravanas se aproximem do palco de jogo em cima da hora? como ocorreu na copa do brasil e no brasileiro do ano passado, vão permitir que nossa torcida fique confinada nos onibus, vetada de ver o jogo mesmo com ingresso nas mãos, e fazer com que chegue atrasada, o que causa, invariavelmente, correria, empurra-empurra etc?

Segurança de quem? torcedores que chegarem cedo por conta própria ficarão ao deus-dará naquela biboca do engenhão, que só não é mais nojento que são januário, à mercê da boa vontade dos policiais cariocas e demais cariocadas?

às vezes, a impressão que dá é que a polícia força situações para provocar tumulto e "criar" motivo pra usar da força contra civís que viajam, gastam o que não tem, somente para acompanhar seus times.

e fora de nosso Estado a coisa piora: as polícias de fora (este blog ja teve sérios problemas em goiania, bh e recife, e conhece pessoas que passaram vários apertos no rio, ano passado) parecem agir de modo a intimidar o time/torcida de fora, como se isso fosse estratégia de jogo... não é... primeiro, é cercear o direito constitucional de ir e vir; segundo, é burlar mesquinhamente o direito de todo cidadão, agora previsto no próprio estatuto do torcedor, de adentrar com segurança a praça desportiva (aliás, conforto, modicidade, segurança e livrre acesso ao setor adquirido são direitos do torcedor e deveres do time mandante, e, nessa lógica, considerando que o esforço policial ocorre sempre a pedido das federações e da equipe da casa, existe responsabilidade jurídica por isso, sim)

e mais: essa coisa de não deixar chegar cedo e obrigar a sair faltando 15 minutos nada mais é do que um jeitinho dado pela polícia para mascarar a própria incompetência: eles devem, sim, manter a paz e as devidas condições de uso do entorno do local de jogo e demais locais onde possa haver conflito. Fazer com que a torcida de fora veja apenas parte do jogo para que não haja contato, além das barbaridades configuradas nos termos do parágrafo anterior, é mostrar para o mundo que não consegue exercer sua função e prefere, em vez de se adaptar, punir terceiros, diretamente interessados no evento.

não estamos pregando a violência, pregamos melhorias, adequação e humanização. Se torcedores não costumam colaborar, que o exemplo seja dado de cima para baixo. E cito dois exemplos:

1. tratado dignamente - isso inclui ser convidado, junto com outros torcedores que chegaram cedo à porta da arena da baixada, anos atrás, a conhecer a sede da fanáticos, e ciente de que a escolta da caravana até o estádio fora bem recebida, ninguém cogitou zuar o banheiro da arena, levar azulejos como lembrança pra casa, saquear o bar ou jogar merda em curitiba.

2. essa de um amigo bambi, que chegou com caravana pra final da libertadores desse ano, ocasião em que a pm gaucha foi receptiva e educada: ninguém quebrou nada e não houveram intercorrências graves.

É simples, mas não é facil.

mas tomara que para hoje nao ocorra o acima relatado...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Uma história corinthiana - por andré kfouri

caso alguém ainda não leu, vale a pena demais... de todos que recebemos na semana do centenário, este relato - escrito pelo excelente andré kfouri (original aqui) - foi capaz de levar o blog às lágrimas...





O menino de 6 anos chegou em casa e perguntou:

- Pai, para que time eu torço?

O pai imediatamente detectou o problema. Não ligava muito para futebol, nunca tinha conversado com o filho sobre o assunto. Percebeu que o menino tinha chegado a uma idade em que é obrigatório ser torcedor. Decidiu que se esforçaria para reparar o erro.

Prometeu ao filho que o levaria a jogos de todos os clubes grandes de São Paulo, para que o garoto tivesse todas as oportunidades para escolher seu time do coração. Fez a devida lição de casa. Aprendeu os fatos, os nomes, os momentos e lugares importantes na História de cada clube.

A primeira visita foi ao Morumbi, numa tarde de jogo do São Paulo. Chegaram cedo, passaram no Memorial, viram os troféus da Copa Libertadores, da Copa Intercontinental.

- Filho, o São Paulo é o mais bem sucedido clube brasileiro no cenário internacional. Ganhou a Libertadores 3 vezes, foi a Tóquio duas vezes para conquistar a Copa Intercontinental, também tem um Mundial de Clubes da Fifa. Além disso, foi o primeiro clube da cidade a ter o seu Centro de Treinamento. E claro, é o dono desse estádio, o Morumbi, o maior de São Paulo.

O jogo foi ótimo, o São Paulo venceu, o menino ficou impressionado com o tamanho do Morumbi.

- E aí, quer comprar uma camisa? – perguntou o pai.

- Ainda faltam três times, né? Prefiro esperar.

A segunda visita foi ao Palestra Itália. Passearam pela sede do clube. Viram os bustos de Ademir da Guia, de Junqueira, de Waldemar Fiúme. Também conheceram a sala de troféus. Sentaram-se nas numeradas do estádio do Palmeiras.

- Filho, esse time é diferente dos outros, por causa da conexão com a origem dos torcedores. O Palmeiras tem uma ligação sanguínea com a Itália, se chamava Palestra Itália. Claro, ninguém precisa ser italiano para torcer pelo Palmeiras, mas é bonito ver essa relação familiar com o time. Os palmeirenses são apaixonados por essa camisa. Grandes craques passaram por aqui ao longo dos tempos. Tanto que o time tem o apelido de “Academia”. – contou o pai.

O Palmeiras ganhou, o menino vibrou. Gostou do ambiente no Palestra, da proximidade do gramado.

- Vamos comprar a camisa? – o pai perguntou.

- Mas ainda faltam dois times…

Próxima parada, Vila Belmiro. No carro, indo para Santos, o pai começou a falar sobre as glórias do time.

- Meu filho, esse time que você vai conhecer hoje é um patrimônio do futebol. É o time em que jogou o Pelé, o maior jogador da História. Teve o melhor time de todos os tempos, no começo da década de 60, quando não havia adversário neste planeta que pudesse vencê-lo. Você vai ver a quantidade de taças que eles têm.

Visitaram o Memorial das Conquistas e sua impressionante coleção de troféus. As fotos do timaço que conqusitou o mundo duas vezes, do Rei Pelé e de tantos e tantos jogadores lendários.

O Santos ganhou o jogo, o menino ficou empolgado. Na Vila, dá para ficar ainda mais perto do campo.

Na saída, a mesma pergunta.

- Vamos comprar a camisa?

- Calma pai, ainda tem um jogo para a gente ir, não tem?

E foram ao Pacaembu, num domingo à tarde. Não conseguiram sair cedo de casa, estavam um pouco atrasados. O pai foi falando sobre o Corinthians no carro.

- Filho, estamos indo ao Pacaembu, mas o Pacaembu não é o estádio do Corinthians. É da prefeitura, porque o Corinthians não possui um estádio próprio. Mas a torcida se sente muito bem lá. Outra coisa: o Corinthians é o único time de São Paulo que ainda não ganhou a Copa Libertadores. Mas tem um detalhe interessante: é a maior torcida de São Paulo, e a segunda maior do Brasil. É uma torcida tão apaixonada que é chamada de “Fiel”.

Por causa do atraso, pai e filho entraram no Pacaembu pelo portão principal, quase na hora em que o Corinthians subiu ao gramado. Sentaram-se nas numeradas, e logo tiveram de se levantar, porque o time foi para o campo.

De repente, o pai percebeu algo assustador. O menino estava chorando.

- O que aconteceu, meu filho?

- Não sei, pai.

- Por que você está chorando?

- Não sei…

- Quer ir embora?

- Não, quero ficar.

O jogo estava para começar quando o menino pegou o braço do pai.

- Pai, quero uma camisa.

- Como assim?

- Escolhi, pai.

- Mas o jogo ainda nem começou…

- Não importa.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

nossa arena, o pacaembu e os estádios da copa

Comecemos o presente post analisando o seguinte link: http://www.nytimes.com/2010/09/08/sports/08stadium.html?_r=2&partner=rss&emc=rss

caso prefiram uma versão em português, procurem no blog do tironi, no lance, alguns comentários sobre a matéria.

Abrasileirando a questão dos estádios e de eventuais prejuízos, o blog não pode deixar de fazer dois paralelos de casos evidentemente correlacionados: um sobre os estádios da copa do mundo, outro das implicações que advirão com a iminente construção de nossa arena (a qual, em apoio ao solicitado pela diretoria, não chamaremos de nome algum, tendo em vista a provável - boa - negociação de naming rights que realizaremos).

Consideremos, em primeiro lugar, que as arenas mencionadas no link inicial nem sempre são empreendimentos construídos com verba pública; contudo, consideremos também que muitos críticos xiitas, quando alegam que o padrão de organização de jogos fora do Brasil é infalível, não observam a questão por inteiro (e diga-se, quando assuntos políticos, ideológicos e econômicos são tratados com fanatismo, quase sempre se pautam em teorias cegas, de quem ignora que equilíbrio é formado de peso e contra-peso).

Pois bem: a matéria trata de estádios/ginásios de grande porte, em centros esportivos tradicionais (num país em que o investimento esportivo e o desenvolvimento esportivo ocorre desde a base), que, após serem trocados por arenas mais novas e não terem mais utilização em eventos de massa, tonraram-se verdadeiras fontes de gastos públicos - como exemplo, apenas o estádio em que os times de Nova York e Nova Jersey utilizavam para futebol americano representa um custo mensal de U$ 18,00 (dezoito dólares) por habitante.

O Pacaembu, que, segundo Aléssio Gamberini, da Secretaria Municipal de Esportes de São Paulo, tem um custo anual de manutenção na casa dos R$ 3.000.000,00 (R$ 250.000,00 mês), é alugado pelo Corinthians, em 2010, por cerca de R$ 60.000,00 por jogo.

Significa que, e considerando o máximo de 3 jogos em casa por mês, tanto no campeonato paulista quanto do brasileiro (quatro jogos é exceção - a variação é de dois a três jogos em casa), a prefeitura ainda fica com um rombo de R$ 70.000,00.

E note que nem com a porcada isso se supre: nosso contrato é de valor fixo porque a outra alternativa é de pagar, a título de aluguel, 12% da renda para jogos diurnos e 15 % em noturnos, ultrapassando em muito o valor fixo (temos renda média de R$ 1.200.000,00/jogo, o que, a 12%, daria um aluguel de R$ 144.000,00/jogo). Contudo, a porcada tem esse contrato de renda, visto que, quando muito, coloca 10.000 torcedores na casa, o que torna a renda baixa, e o aluguel proporcional mais barato que o fixo.

Notem que os mesmos 3 jogos por mês, com casa cheia, seriam suficientes para o Corinthians arrecadar o valor de manutenção anual do estádio e ficar com mais 10 meses livres para faturar limpo na renda de cada jogo.

Dessa forma, um contrato de arrendamento, nos termos inicialmente requeridos pelo Corinthians, nos garantiriam uma casa, pelo período de 20 anos (prazo oferecido pela municipalidade; nossa diretoria queria, no mínimo, 30 renováveis por mais 30), período em que a manutenção e as melhorias necessárias seriam nosso encargo, mediante pagamento de quantia a ser estipulada entre as partes.

Nessa parte da quantia é que houve o impasse: a prefeitura pedia R$ 200.000,00. Seria algo a se pensar, se não houvesse nenhuma proposta efetiva de estádio. Tanto que a nota de nossa diretoria, quando do anúncio do pré-projeto de itaquera, mencionava que todas as tratativas de arrendamento, concessão ou aquisição do pacaembu junto à cidade de São Paulo foram esgotadas sem que houvesse acordo.

Mas pudera: o que é melhor, uma casa temporária a 200.000,00 (digamos que 40 anos por 400.000,00, e depois ficamos novamente sem estádio, ou dependentes de uma renovação contratual incerta), ou uma casa própria a 350.000,00 (nossa propriedade, ad eternum)?

Claro que o cenário acima não deixa dúvidas, ainda que o pacaembu esteja em nossa história e seja, de maneira insuperável, o centro esportivo melhor localizado na capital paulista.

Ainda que consideremos que nossa casa tenha um custo de manutenção intermediário ao do pacaembu e da porcaria do morumbi (estimado, segundo o excelente jornalista/blogueiro e bambi vitor birner, em 8.500.000,00/ano - 710.000,00/mes), na casa dos 600.000,00/mes, os mesmos três jogos em casa ainda nos renderiam 3.000.000,00 (contando que teremos a mesma média de valores de ingressos e público).

É valor parelho ao que já temos, mas usando a diferença para arcar e manter nosso próprio patrimônio. Fora isso, o pacaembu possui limitações de tombamento que não permitem modificar sua estrutura, confirguração externa e panorama interno, o que basicamente impede obras de aumento de público e reformas estruturais de alto impacto.

Não obstante, a associação defenda pacaembu, chamada por este que vos escreve de "associação ofenda pacaembu", conseguiu vetar eventos musicais noturnos no estádio, o que, por óbvio, impede rendimentos de aluguel e/ou bilheteria à municipalidade.

Atualmente, além do aluguel, o corinthians vem arcando, por meio de "acordos" impostos pela prefeitura, com melhorias no entorno e obras de manutenção que, em decorrência da propriedade do estádio, pertencem à prefeitura paulistana.

Agora pegue tudo isso e transfira aos cofres públicos. Considere que as sardinhas usam o pacaembu apenas esporadicamente, e a porcada terá (?) em breve um novo estádio, onde seus 10.000 torcedores desfrutarão de 40.000 poltronas. Quem pagará os mais de 3 milhões anuais? Claro: estádio público = conta pública.

Se foi por má negociação com o corinthians, ganância de dirigentes ou políticos, isso não importa mais. Com nossa arena construída, a cidade terá um monumento abandonado (o que pode implicar em diversas e sérias consequencias à área, que pode virar refúgio de moradores de rua, ser alvo de depredação, dentre outros - e parte dessa culpa será da "ofenda pacaembu"), uma conta a pagar e princípios de bom funcionamento da administração pública a respeitar.

Quanto isso vai custar por cidadão, até a copa saberemos...

E o pior é saber que com a copa o mesmo está prestes a acontecer em várias capitais do Brasil.

Afora São Paulo, caso nosso estádio fique pronto e seja efetivamente utilizado, Porto Alegre (onde a turma do chororô prometeu - e tomara que cumpra - efetuar às próprias expensas (?) as obras necessárias) e Curitiba, onde ainda existem possibilidades de reformas ou construção de estádio pela iniciativa privada, todos os demais espaços da copa serão objeto de investimento governamental.

Vejamos caso a caso: a Bahia não cuidou do patrimônio estadual, que foi condenado, demolido, e será reerguido às custas do país todo. Mineirão e Maracanã, este último especialmente, são alvo de reforma ano sim, ano não, e nunca ficam prontos para eventos de porte internacional, exatamente porque o interesse local é de sempre mamar nas tetas das constantes reformas.

E os piores casos: Manaus, Belém e Cuiabá, que mal possuem times de futebol conhecidos nacionalmente, terão arenas bancadas pelo povo brasileiro, com capacidade para receber copa do mundo, e que servirão exatamente para que depois?

Tal como o pacaembu, todos esses estádios representarão - afora o custo de obras - enormes gastos de manutenção. Já pagaremos pela construção deles. Falta saber quanto nos custará para que os mantenhamos de pé...

É uma pena...

Por fim, conforme comentado no twitter, mais cedo, como corinthiano, a parte que salva disso tudo é mostrar que é possível construir um estádio de alto padrão, valendo-se unicamente de seu poder privado de captação de verba/crédito, e fazer uma obra economicamente sustentável e, posteriormente, rentável, como, aparentemente, se mostra nossa arena...

aguardemos e fiscalizaemos...

e vai corinthians!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

brasileirão - atlético pr X corinthians

depois de encerradas as comemorações do centenário e do massacre contra o goiás, jogamos hoje pra seguirmos com o melhor aproveitamento do campeonato e com a possibilidade de assumir a ponta assim que derrotarmos o vasco, no jogo adiado do primeiro turno:

* vale iniciar comentando a constatação do que anda divulgando o pessoal do mídia sem média: o presidente do goiás confirma que subornou adversários para não cair e nos derrubar em 2007. Nem entraremos na questão da ética no futebol, que há tempos foi esquecida por dirigentes corruptos; vamos nos ater à realidade, que mostra que quem aprendeu a lição com aquela queda hoje é ainda maior... quem seguiu vivendo de propinas e compra de resultados, tem saldo de -27 em apenas 19 jogos... cada um no seu lugar, cada um do tamanho que merece...

* e ao inter, que, na opinião deste blog, entregou o jogo ao timinho do planalto central, que olhe seu financiador e não se esqueça: aqui se faz, aqui se paga... é só esperar... (repito: cada um do tamanho que merece).

* hoje jogamos para, na pior das hipóteses, seguir na cola do fluminense... implica em encarar seriamente o mais peladeiro dos times do sul do país, aquele que historicamente joga dando pancada na defesa e apostando em correria e trombada na frente, ao melhor estilo amador/varzeano;

* implica colocar na roda, fazer a bola correr e abrir espaços numa defesa que, se é muito fraca, ainda estará desfalcada de seu melhor zagueiro;

* implica zicar o cagado do paulo baier, com jucilei sempre por perto, e, principalmente, não oferecer a ele a bola parada, especialmente para evitar o chuveiro na nossa área;

* implica em não bobear na defesa nos primeiros 15 minutos, coisa que vem se repetindo com mais frequencia do que pode permitir quem ambiciona o campeonato;

* e implica em laterais que fechem a defesa e parem de dar duas avenidas aos pontas adversários, coisa que este blog vem repetindo arduamente e que, por mais que tenha parecido melhor no jogo contra o goiás - com um jogador a mais -, deve ser a prioridade da noite na retaguarda.

* da nossa parte, olho ressabiado a volta do gordo, visto que o jogo é fora de casa, contra um time chato, uma torcida pentelha e numa partida que promete ser pegada... primeiro pela forma dele, segundo pela necessidade que o time criou de movimentação contínua, passes e deslocamentos rápidos que - diga-se - vem dando certo...

* contudo, o blog entende que, na menor das questões, hoje somos o sexto maior patrocínio do mundo porque temos o ronaldo no elenco, e a manutenção do faturamento para 2011 depende de exposição das marcas que levamos em nosso manto, o que, por razões óbvias, cresce exponencialmente com o cara em campo...

* assim, possivelmente teremos hoje uma linha de 3 volantes, com jh aberto na direita (com apoio de elias + alessandro), enquanto bruno cesar e rc cuidam do apoio pela esquerda e municiam o gordo, que, além de referencia de área, deve sair pra intermediária do atlético para receber bolas e abrir a entrada na diagonal dos alas, meias, pontas e volantes (isso com sua capacidade de passes, se funcionar, é arma bastante interessante)

* ambos os times chegam embalados, mas a qualidade técnica de nosso é gritantemente superior, o que nos permite sim exigir os três pontos e a urgente melhora no rendimento fora de casa... este blog acredita e confia

e vai corinthians!

corinthianismo

dando início a uma série de posts de amigos, leitores do blog e seguidores do twitter sobre momentos marcantes e histórias envolvendo nosso amor pelo grande corinthians, segue o relato da re gonçalves (@goncalvesrenat), escrito depois de nosso massacre de 3 a 0 na bixarada:



"Se eu pudesse te dar uma dica.... diria:

Vá pelo menos uma vez na vida assistir à um jogo SOZINHO no estádio.

Ir com a galera é bacana... já fui algumas vezes.

Mas nunca imaginei que um dia teria a chance (e a coragem) de ir sozinha.

Afinal, todo mundo que está do seu lado... está la fazendo exatamente isso!

E você não precisa se preocupar em parecer uma pessoa razoavelmente normal... a pessoa que está do seu lado não está reparando se seu cabelo está bem preso... se suas unhas estão pintadas com uma cor irada e muito menos no seu óculos de grau.

Vá sozinho... mas vá no clima! Pegue o metrô (de carro não vale!)... observe todas aquelas pessoas com a mesma vibração que vc. Ande pelas ruas até o estádio e escute o que eles cantam e o que eles estão falando. E aí você vai entender PERFEITAMENTE o que está fazendo lá...!

Entre cedo no estádio... escolha seu lugar preferido. (de preferência um lugar bem muvucado onde as pessoas que sempre estão com vc, não deixariam vc estar)

Sente.

Pense no que está pra vir... pense no que já passou. Comece a sentir a vibe do negócio.

Aos poucos a arquibancada vai lotando e você começa a sentir aquela coisa boa que é esperar seu time entrar em campo.

O jogo começa.... Grite, Xingue, Cante, Abrace.... faça o que te der na cabeça. EXTRAVASE.

Eu juro que quando o juiz apitar dizendo que acabou o 2º tempo vai parecer que vc tinha acabado de chegar! E vai perceber que não se sentiu sozinho nem por UM MINUTO.

E aí... quando estiver saindo do estádio... vc vai sentir aquele negócio de... MISSÃO CUMPRIDA.

Vendo aquelas pessoas que estavam no mesmo lugar que vc, com o mesmo propósito que vc, gritando e se descabelando pela mesma coisa que vc.... seguirem seus caminhos, indo pras suas casas... encontrando suas famílias...

E aí vc vai sentir que fez parte daquilo!

E aí vai sentir o que estou sentindo hj.... essa vibração... esse monte de energia boa!

Depois me conta como foi!"

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Em pé até meados de 2011




Um trabalhador do CT do Corinthians em Itaquera disse que permanece o CT ali até meados de 2011.Depois, pelo projeto, a gente vê que ali será estacionamento.

O local do Estádio




Expedição ao local do Estádio do Corinthians

quinta-feira, 2 de setembro de 2010




Cidade em preto e branco

Centenário

Juntamos os amigos, saímos nas ruas cantando:
"Corinthians, Corinthians minha vida,
Corinthians minha história,
Corinthians meu amoor"

Esta postagem e as outras postagens, não são pra mostrar o que nós fizemos.
É pra mostrar o que foi visto.
A qualidade da foto está compatível com a da câmera, de promoção. Mas o registro tá feito.

festa do centenário

Lutando pra conseguir um post à altura do centenário que nos chega, foram páginas e mais páginas escritas e apagadas de Corinthians; idéias rabiscadas em guardanapos de bar; divagações que se perderam entre conversas, cervejas e jogos por aí; e intenções da melhor qualidade... intenções de devolver em um único texto todas as emoções que o Sport Club Corinthians Paulista proporcionou a mim ao longo desses meus quase 28 anos de vida...

Foram exatamente essas intenções de escrever o melhor texto do mundo que me fizeram lembrar que não são minhas palavras que nos farão medir a grandiosidade desse dia... porque imensurável que é nossa grandeza, pretensioso demais seria querer retratar neste blog o que este centenário representa na história do Brasil, no mundo do futebol e especialmente na vida de cada um de nós, maloqueiros e sofredores.

O retrato de nossa história é incrível desde sua pedra fundamental... nela, no nosso eterno Bom Retiro, onde hoje nos encontraremos mais tarde, é que acho que podemos fazer a grande reflexão do que representam esses 100 anos...

Ao chegarmos no marco de nossa fundação, num bairro que ainda é pobre e operário, como era naquelas eternas 19:10 de 1º de setembro 1910, visualizemos as ruas de chão batido, as estrelas das noites de lampião... sintamos no ar o brio daqueles trabalhadores marginalizados pela elite provinciana, que, deixados ao léu do crescimento econômico que chegava em terras paulistanas, privados foram também daquele esporte bretão que conquistava nossas terras...

Mas que conquistava pela via errada, que teimava em entrar pela porta da frente, altivamente burguês, olvidando-se do povo... pior: olvidando-se de ser do povo, de ser sinônimo de igualdade, integração, inclusão, democracia...

Só que haviam ali aqueles operários e a gana de não aceitar tal marginalização, de pular o alambrado dos campos de várzea e fazer com que o povo tivesse seu time de futebol, de fazer com que o povo, por meio de seu esquadrão, invadisse o quintal daquela opulência arrogante e tirasse deles troféus e títulos, tudo pelo caminho da superação de cada operário que acreditou no clube, que trabalhou por sua existência, que hasteou sua bandeira, que gritou seu nome, que honrou suas cores e que acreditou que dava ao povo o futebol, que fazia o time do povo, centenariamente do povo, seria para sempre do povo!

E dificuldades foram muitas: golpes que tentaram nos excluir dos principais campeonatos, crises financeiras, más gestões, filas... até rebaixamento encaramos. E, mesmo com tudo isso, somos grandes... não... somos os maiores, temidos, invejados, respeitados... SOMOS CORINTHIANS.

Quem pode descrever um clube que, mesmo ante tantas dificuldades, cresceu gradualmente ao longo dos anos, valendo-se das crises para arrebanhar mais fiéis, para mostrar que força e superação são dons potencializados pelos movimentos de massa? Quem pode criticar uma torcida que ganha jogo, fiscaliza, apóia incondicionalmente, comparece em todos os estádios do mundo, faz carnaval e ainda tem consciência de seu papel social, trazendo seguidores menos favorecidos para projetos de inclusão social e capacitação?

O que dizer de um esquadrão que peitou a ditadura e foi pioneiro em fazer do esporte meio de propaganda da redemocratização? E como criticar um grupo de fanáticos que fez valer seu direito natural de reunião e expressão para brigar por anistia ampla, geral e irrestrita, e ainda briga por inclusão social, reforma agrária e direitos humanos?

Time do povo, campeão mundial, campeão dos centenários, campeão dos campeões....

Corinthians, o mínimo que posso fazer é dedicar aos seus cem aniversários os vinte e oito de minha vida, e garantir que minha parte continuará sendo feita, nossa bandeira tremulará sempre, nossa corrente jamais será quebrada, e jamais nos esqueceremos de onde viemos... teu passado é uma bandeira, teu presente é uma lição, e as glórias do teu futuro são tão certas quanto é tua grandeza!

Vai Corinthians e parabéns nação!


ah... como não podia deixar de ser, o time do blog esteve na festa: